compartilhe 0
20 · 12 · 2016

O Guia para fazer o financiamento da casa própria

O sonho da casa própria é comum a uma grande parte dos brasileiros que passa muitos anos juntando dinheiro para conseguir realizá­lo. Mas, atualmente, os imóveis atingiram preços tão elevados que ficou quase impossível fazer um pagamento à vista. Sendo assim, a alternativa mais viável acaba sendo o financiamento, geralmente feito por meio de um empréstimo, que depois será devolvido ao banco.

Entretanto, quando o banco empresta recursos para financiar o seu imóvel, acaba também impondo algumas restrições contratuais, que te proíbem, por exemplo, de alugar o imóvel para obtenção de renda enquanto a dívida ainda não foi quitada. Além disso, o financiamento exige uma série de requisitos e etapas para ser feito do jeito certo e não te dar uma dor de cabeça depois. Está pensando em dar esse passo na sua vida? Saiba mais sobre como fazer um financiamento da casa própria!

O primeiro passo

Antes de partir para qualquer etapa de um financiamento, é necessário saber o quanto você poderá gastar, fazendo um controle prévio da quantia que será destinada mensalmente ao investimento para não sacrificar o conforto da sua família. Após saber exatamente o valor que cabe no seu bolso, você deve partir para as simulações de financiamento. Independente do banco onde você tem conta, faça ao menos três simulações em instituições diferentes para conhecer as vantagens e desvantagens de cada uma e comparar os resultados.

De fato, se a simulação mais benéfica para você for aquela do banco no qual já possui conta, será ainda mais fácil o processo de aprovação do crédito, visto que a instituição possui seu cadastro há tempos e já realiza toda a sua movimentação financeira. Mas, vale repetir, nunca fique restrito a isso, pois os outros bancos, apesar de exigirem toda a burocracia e processo de cadastramento, podem te oferecer melhores condições e benefícios em longo prazo.

Busque sempre pela instituição que atende o que for importante para você, como: valor do imóvel, número de prestações, valor de entrada, etc. A Caixa Econômica Federal, por exemplo, tem as taxas mais baixas do mercado e ótimas vantagens no financiamento. Mas lembre­se: independente da escolha, você precisará comprovar que tem condições de arcar com as parcelas — normalmente, os bancos não o aprovam caso o valor das prestações seja maior do que 30% da sua renda.

Documentação necessária e comprovação de renda

Nessa etapa, você deve, obrigatoriamente, apresentar cópias do CPF e RG ao banco, junto dos originais. Lembrando que, se existe união estável ou um casamento registrado em cartório, é necessário a anuência do companheiro(a), pois a compra pode ser declarada nula futuramente caso haja contestação ou qualquer outro problema. Sendo assim, ambos precisam apresentar seus holerites e comprovante de estado civil.

Caso sejam autônomos, é importante entregar extratos bancários para demonstrar a movimentação na conta e também a declaração de imposto de renda do casal.

Se você deseja financiar com um banco no qual ainda não possui conta, deverá se submeter a todo o processo de cadastramento junto ao gerente, o qual te informará toda a documentação necessária para dar seguimento às etapas e, posteriormente, aprovar o financiamento. Procure demonstrar de onde vem a sua renda familiar, seja através de holerites, extratos bancários, declaração de imposto de renda, contratos de prestação de serviço, etc. Por último, aguarde a sua análise no SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) e, caso não haja nenhuma pendência em seu nome, o crédito é liberado.

Quanto tempo leva para a aprovação?

O tempo de espera entre as simulações e a aprovação do crédito dura em média de 30 a 45 dias. Tudo vai depender de uma série de fatores: se você já possui todos os documentos necessários em mãos, se o financiamento será no banco que possui conta ou em uma agência diferente, se já simulou a quantidade que poderá investir ou não. Caso queira saber o valor que ficarão as prestações para você e se isso se encaixará no seu bolso, pode fazer uma simulação grátis on­line.

Em geral, pode-­se dizer que um processo rápido de aprovação levará em torno de 15 dias, enquanto que um processo mais longo — com maior exigência de documentos — poderá demorar três meses para uma resposta definitiva.

Finalização e aprovação do crédito

A primeira parte do financiamento já foi feita entre você e o banco, e após toda a etapa de comprovação de dados, a instituição financeira solicitará uma avaliação do imóvel — feita por uma empresa especializada, engenheiro ou arquiteto —, para confirmar o seu valor real de mercado. Tendo a confirmação do valor, as prestações são estabelecidas e passa­se para a etapa da feitura do contrato, que deve ser assinado pelo vendedor e pelo comprador. A partir disso, o banco pagará o vendedor e a dívida fica sendo entre você e o banco.

Opções de financiamento

Através do FGTS (Sistema SFH)

O financiamento através do FGTS faz parte do sistema SFH (Sistema Financeiro de Habitação), que é um mecanismo do governo federal voltado para a aquisição da casa própria. Esse modelo de financiamento possui algumas características, benefícios e restrições:

  • Somente pessoas físicas podem financiar e a restrição fica por conta do valor do imóvel, que não pode ultrapassar R$ 650 mil, porém, há exceções nos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo e Distrito Federal, onde o valor é de R$ 750 mil.
  • O valor financiado não pode ultrapassar R$ 585 mil.
  • Pode financiar em qualquer banco, com um prazo de até 35 anos para pagar (420 meses) e taxas de juros não superiores a 12% ao ano.
  • O FGTS pode ser usado para quitar prestações, dar de entrada e reduzir valor das parcelas, diminuindo a sua dívida.

SBPE

A sigla para Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos. Esse modelo é utilizado quando os valores estão fora das características e limites expostos no SFH, e a diferença é que os juros podem chegar a mais de 12% ao ano.

Construtoras

A parte boa de financiar diretamente com as construtoras é a flexibilidade nos valores e juros, porém, os riscos são maiores e você deve ficar bem atento. Lembrando que, quando se financia um bem, ele ainda não é seu, ele pertence à financiadora (seja ela uma agência bancária ou construtora) e, por consequência, o bem fica hipotecado. Portanto, se a instituição falir, o seu imóvel pode ser usado para pagamento de qualquer dívida, por exemplo.

Se puder, consulte um advogado imobiliário nessa hora, pois ele pode te dar segurança jurídica quanto à sua  relação de financiamento, podendo alertar se a construtora possui alguma restrição na justiça. O ideal é se prevenir, por isso, ao quitar o bem, exija que a construtora o retire da hipoteca. A comprovação da retirada pode ser obtida através de certidão de ônus reais, retirada em qualquer cartório. Guarde­a, pois ela previne problemas futuros e evita que você perca o seu imóvel por falência da construtora.

Boa sorte na conquista desse sonho!

organizze

Suas finanças sempre em dia. Menos preocupações com suas finanças. Mais tempo para curtir sua vida.